Menu Principal

Anúncio I

domingo, 14 de outubro de 2018

Passeando pelo Vale Europeu [p7]

No período entre os dias 07 e 14 de Outubro realizei uma viagem junto a Luciana com a São José para o seguinte destino: Vale Europeu c/ Curitiba, Beto Carrero World e Oktoberfest.


Confira agora como foi a 7ª parte dessa viagem, onde conto o que fizemos no evento principal Oktoberfest.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
Clique AQUI, na imagem abaixo ou no link para acessar o índice dessa viagem:



Clicar: [Índice]
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 

Sem mais delongas, vamos ao relato...

DIA 04 - Quarta [10 de Outubro de 2018] (Cont.)

Oktoberfest - Evento Principal

Enfrentamos uma pequena fila e finalmente entramos no prestigiado evento da Oktoberfest.






De início ainda estávamos bem perdidos, sem entender as coisas direito e o lugar estava realmente abarrotado de gente. Ao contrário do desfile, às vezes ficava difícil até para andar devido a enorme concentração de pessoas.

Primeiramente nos limitamos a trocar o dinheiro pelo cartão do evento, conforme o guia havia nos orientado anteriormente.


Eu comprei uma batata recheada com linguiça, que acredito ser algum tipo de culinária típica alemã, e a Lu, se não me engano, escolheu algum tipo de pão com salsicha. Tanto eu quanto ela estávamos com bastante fome, pois a última coisa que a gente havia comido tinha sido aquela "coxa" a algumas horas atrás.



Como o movimento estava grande e onde estávamos não tinha lugares para se sentar, resolvemos adentrar em um dos pavilhões do evento.




Ali procuramos algum lugar vazio, sentamos e comemos o nosso lanche. O pessoal estava muito animado, algumas pessoas faziam gracinha pelo caminho e havia muita gente vestida com apetrechos da Oktoberfest, em especial utilizando as roupas típicas completas ou ao menos algum chapéu do evento.

Antes de virmos para cá o guia nos contou que existem três pavilhões principais, onde pode-se comer e beber e neles também é possível assistir a vários shows que são realizados no palco. Na parte de fora existiam diversos tipos de lojas diferentes, em especial para alimentação.

E ele não errou em nada em sua explicação, pois próximo de nós já havia um pessoal tocando e cantando coisas com temas relacionados a cerveja.

Vídeo 16:


E lá estava eu tentando ajustar a câmera para mostrar o show de um ângulo melhor:

Vídeo 17:

Tentativa 1: Falha!


Vídeo 18:

Tentativa 2: Quase! Ao menos deu pra mostrar um pouco de como esse galpão estava lotado.


Vídeo 19:

Tentativa 3: Agora sim consegui mirar direitinho no palco e deixar com que ao menos uma boa parte de umas das músicas fosse tocada.



Ao terminar de gravar cheguei na conclusão que meu celular simplesmente não dava conta do batido, pois sequer dava pra enxergar o que estava no palco direito. Por isso preferi pedir para Lu o celular dela na hora de gravar as coisas.

Dali nos movimentamos, tentando ir para outra área do evento.






Apesar de estarmos aqui, no maior evento cervejeiro do Brasil, nós dois não tomamos sequer uma gota de cerveja, pois nem eu nem a Lu bebemos isso. O máximo que eu faço, por exemplo, é provar um vinho, licor, amarula ou algo do tipo para dar de presente para alguém da minha família depois, normalmente meus pais.

Usar o banheiro por aqui, em especial para as mulheres estava uma tarefa quase impossível. Para os homens é tranquilo, já que com uma dezena de mictórios ou um "mictão" [aquele mictório único que vai de fora a fora] resolve-se esse problema facilmente.

Acho que tentamos uns dois ou três lugares diferentes, que estivessem mais vazios para que a Lu conseguisse usá-lo. Dali aproveitamos que estávamos perto de um quiosque que vendia gelados e compramos um picolé pra cada um.




E mais uma vez tentamos atravessar de um galpão principal para o outro, vide a muvuca:






Veja aí mais uma música das que estavam tocando nesse evento:

Vídeo 20:


A diferença da câmera dos nossos celulares era nítida. O da Lu era uma versão acima do meu [Samsung Galaxy J7 Prime 2], enquanto o meu era um Samsung Galaxy J5. Aquela mesma música de antes gravada por ele também ficou com uma qualidade muito maior:

Vídeo 21:


Algo bem interessante desse evento é que apesar de rolarem shows diferentes em cada um dos três palcos [um em cada pavilhão], um show não atrapalha o outro porque o isolamento acústico do ambiente é perfeito.




















Em alguns pontos podíamos ver carros de época ou enfeitados e até mesmo alguns dos que foram utilizados no desfile que estávamos antes. Há ainda a área VIP, pra quem quisesse participar do evento de camarote, e claro, não dá pra negar a beleza das pessoas vestidas em trajes alemães.

Nesse ponto um turbilhão ocorreu na minha mente e eu que estava meio perdido antes de repente já estava compreendendo tudo sobre o evento. Como ele ocorria e como eram suas principais atrações!


De repente fiquei tão bem inteirado sobre tudo que se deslocar e compreender as coisas, relembrar tudo que haviam nos explicado antes e assim realizar aquela espécie de quebra-cabeça mental, e saber o que queríamos fazer a partir de agora ficou muito mais fácil, e tenho certeza que a Lu também conseguiu me acompanhar nesse processo.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 

Oktoberfest de Blumenau


A mais tradicional festa alemã do Brasil já está em sua 35ª edição [ano de 2018] e ocorre sempre no mês de outubro. Todo o ambiente, desde a decoração, repertório das bandas e cardápios são baseados na cultura do povo alemão. Ao todo são mais de 20 estilos de bebidas distribuídas no evento, todas produzidas de forma artesanal.

A festa foi criada em 1984 com o objetivo de recuperar a economia da cidade e levantar a moral da população, depois de Blumenau ter sofrido com enormes enchentes por dois anos seguidos. Uma equipe então foi enviada para a Alemanha para aprender mais sobre a festa que era realizada por lá, e os alemães não só explicaram como tudo era feito como vieram ao Brasil para ajudar na organização dessa festa, que foi crescendo muito com o tempo, possuindo renome internacional atualmente.

A programação acontece dentro dos Pavilhões do Parque Vila Germânica, pedacinho de Blumenau cheio de lojas de souvenires e restaurantes que concentra um grande número de prédios e construções com influências alemã no centro da cidade.  

Em 33 anos de festa os organizadores já contabilizaram mais de 20 milhões de visitantes e pasmem: 14 milhões de litros de cerveja já foram consumidos na Oktoberfest de Blumenau. Isso sim é muita cerveja!



A Oktoberfest possui entrada gratuita em determinados dias e horários da festa. Já em períodos especiais, os visitantes precisam comprar os ingressos para participar do evento. Quem estiver vestido com o traje típico alemão completo [isto é, incluindo os calçados e a meia] não pagará nada. Estudantes, professores, idosos com 60 anos ou mais e portadores de necessidades especiais também podem garantir meia entrada. [Obs.: Antes de ir confira o regulamento para ver se não mudaram alguma das regras]

Fontes Pesquisadas:

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 


Em dado momento paramos em frente a cervejaria Baden Baden para resolver alguma coisa, e ainda aproveitamos e pedimos para que tirassem uma foto nossa. Antes disso eu havia tirado uma foto da Lu logo abaixo do letreiro do lugar.




Eu e a Lu juntos:



Cheguei até a pensar em tirar fotos das principais cervejarias daqui, mas acabou que fomos fazendo outras coisas pelo caminho.




Como exemplos internacionais temos a Eisenbahn e a Baden Baden e locaisas seguintes: Bierland, Cerveja Blumenau, Hemmer´s Bier, Antidoto, Wunder Bier e Das Bier.

Eu costumo pensar assim: É certo que não bebo cerveja [com certeza o ambiente por aqui seria ainda melhor para nós bebêssemos!], mas da mesma forma que nem todo mundo que vai a uma parada gay, por exemplo, é gay, nada nos impede de se divertir por aqui também! Sempre tive a curiosidade de saber como era esse evento e nesse dia consegui descobrir como ele funcionava na realidade. Caso eu bebesse cerveja teria me sentido assim ao vir pra cá:

Vídeo 22:


[Voltando a realidade!] Como ficamos muito tempo na parte dos pavilhões, resolvemos sair um pouco.




Mas demos azar e mal começamos a andar e começou a chover, por isso fomos até a primeira atração que tivemos a oportunidade, agora com a chuva um pouco forte. O que visualizamos era o "simulador de embriaguez". Então nos inscrevemos nele e esperamos a pequena fila que estava ali.




A atração funciona basicamente assim, você coloca o óculos e precisa andar, desviando dos cones e depois indo até o guarda.

Vídeo 23: Minha vez


Agi como um verdadeiro tonto porque eu estava vendo tudo embaçado, mesmo utilizando meus óculos por baixo, ao pisar minha visão distorcia um pouco e eu mal conseguia ir para os lugares corretos. E olha que no teste de bafômetro deu zero álcool!

Vídeo 24: Vez da Luciana



A Lu já encarou numa boa e praticamente não teve nenhuma dificuldade. Ao sair dali andamos mais um pouco pelo evento.





Agora a chuva ficou bem mais forte, e como estava chegando próximo ao horário combinado para voltarmos resolvemos sair andando rumo a portaria principal da Oktoberfest.


Ali esperamos o pessoal se reunir e junto ao povo andamos bem rápido, tomando aquela chuva bem gelada em plena noite.




Pouco tempo depois já estávamos no bus, que saiu na hora, às 00:00h.


Às 00:15h chegamos no hotel, nos arrumamos e dormimos, afinal, era melhor descansar um pouco porque o outro dia também seria bem intenso e nele conheceríamos como é o magnífico Beto Carrero World, mas isso ficará para o próximo post.

Para acessar a próxima parte do relato clique AQUI, na imagem ou no link abaixo:



Clicar: [Parte 8]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Botão Voltar ao Topo