Menu Principal

Anúncio I

sábado, 4 de março de 2017

Intercâmbio no Uruguai [Parte 24]

Chegamos a 24ª parte do relato do que fiz sobre meu intercâmbio no Uruguai.


Nessa parte conto como foi a visita ao Museo Figari e ainda como foi a última atividade que realizei pela Academia Uruguay.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
Clique AQUI ou na imagem abaixo para acessar o índice dessa viagem:

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 

E agora a continuação do relato...

DIA 27 - Viernes, Sexta-feira [03 de Março de 2017] - Cont.

Como dito, voltei para aquela rua movimentada e andei bastante, subindo tudo de volta até chegar próximo à Academia Uruguay. Para se ter uma ideia, essa era a distância que eu estava da escola:

Circulado em azul: Museu do Carnaval / Circulado em Vermelho: Academia Uruguay.
Então, fui andando, andando e andando mais...






Passado pouco tempo eu já tinha voltado a praça da Academia, mas como ainda faltava algum tempo para começar a aula, por alguma ironia do destino olhei para alguma plaquinha enquanto passava por um prédio e descobri que eu tinha ouvido o nome desse cara durante a aula dessa manhã: Pedro Figari.


No caso aqui encontrei o seu museu, de nome Museo Pedro Figari, que basicamente abrigava algumas das obras de Pedro Figari, um famoso artista uruguaio. Ele também detinha conhecimentos como artista plástico, advogado, jornalista, político, pedagogo, filósofo e escritor. Então comecei a perambular pelo local, que aliás, era gratuito.













Em sua maioria reparei pinturas que pareciam mais com aquarelas, que focavam muito em danças e festividades da época. Em outra sala se destacava uma "obra" [não sei ao certo se isso era uma arte ou não] que utilizava uma grande quantidade de cordas.


Mais coisas:















Em algumas das paredes o museu fazia questão de frisar algum aspecto da vida desse artista ou de alguém ligado a ele, apresentando também alguns objetos e documentos utilizados por ele.






E... o lugar era tão pequenininho que já tinha acabado. Dali subi as escadas e fui para o segundo andar para ver se existia mais alguma coisa interessante.







Mas não encontrei nada lá, com exceção de uma parede com cores diferentes e uma sala escura com um vídeo esquisito. Então saí dali e voltei para a Academia Uruguay.





Ali fique esperando dar a hora enquanto conversava com as poucas pessoas que estavam reunidas ali e em pouco tempo começou o nosso Taller de Cine, em que apresentaram para nós o filme El secreto de sus ojos.


Assistimos a tudo em espanhol e sem legenda. O filme foi até bom, mas super estranho, o final então, nem se fala. Quem assistir a esse filme se surpreenderá bastante quando o filme terminar.

Voltei a pé conversando com um brasileiro e até tive tempo de tirar uma foto em frente à estatua do General Artigas, na Plaza Independencia.




Me despedi do colega e me embrenhei pelas ruelas de Montevideo, ali passei por alguma loja de conveniência e parei para comer uma tarta de pollo em uma loja de conveniência que estava pelo caminho.



Cheguei na Casa da Família às 19:50h e fiquei mexendo no PC por mais algum tempo. Também comi um pouco de uma espécie de broa de chocolate, mas não estava muito gostosa.







Pouco antes de dormir até pensei em fazer a mala, mas preferi deixar isso para ser feito na manhã do próximo dia. Amanhã seria meu último dia no Uruguai e também o dia de fazer todo o percurso de volta até a minha casa.



Dia finalizado!




Clique AQUI ou na imagem abaixo para acessar a próxima parte do relato:



Clicar [Parte 25]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Botão Voltar ao Topo